teatro

SESC PINHEIROS RECEBE MONTAGEM EM CELEBRAÇÃO AOS 50 ANOS DE “O REI DA VELA” E DOS 80 ANOS DE ZÉ CELSO E RENATO BORGHI

Com três artistas remanescentes da montagem original, espetáculo ganha nova encenação e estreia em 21 de outubro, no Teatro Paulo Autran

Foto: Jennifer Glass

De 21 de outubro a 19 de novembro, o Sesc Pinheiros recebe o espetáculo O Rei da Vela, concebido pelo Teatro Oficina, a partir da obra de Oswald de Andrade celebrando em 2017 o aniversário de 50  anos da primeira montagem. A temporada, com direção de José Celso Martinez Correa, segue aos sábados e domingos no Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros até 19 de novembro. O espetáculo celebra ainda os 80 anos de Celso e de Renato Borghi e terá o cenário original de Hélio Eichbauer, com palco giratório e painéis artísticos idênticos aos utilizados 50 anos atrás.

Além da temporada, serão realizadas ações formativas, como o encontro Rei da Vela: Ontem e Hoje, no dia 26 de outubro, com a presença do diretor Zé Celso e do ator Renato Borghi, em que avaliam e validam a importância da remontagem da peça dentro do atual cenário político e cultural.

O Rei da Vela, escrito por Oswald de Andrade em 1933 e publicado em 1937, foi adaptado para o teatro e posteriormente para o cinema, retornando em 2017 para o palco.

A primeira encenação é concomitante à explosão da Tropicália e ao movimento de descolonização do Brasil, na Primavera Cultural de 1967, em plena ditadura, tendo o poder de se despedir da quarta parede e rever toda dramaturgia da história mundial por meio da devoração poética de Oswald.

Ao ser reencenada cinco décadas depois, a dramaturgia que escancara a estrutura colonial, escravagista e patriarcal tem, de acordo com Martinez Correa, “o poder de acender a vela da percepção no labirinto dos nossos cérebros, intestinos, sexos, corpos e despertar o apetite de devoração deste estado de espera imposto pelas crises […] o espetáculo foi uma desenfreada descoberta crítica do Brasil, uma implacável e impiedosa revisão de valores que começava agredindo a nós mesmos, numa etapa de um vertiginoso processo de libertação de preconceitos e formação cultural colonizada […] a peça ‘O Rei da Vela’ foi uma forma de realizar uma radiografia do país, revelando sua podridão, seu tecido interno canceroso, e assim mesmo resistente, porque se renovava em nossa passividade e em nosso ingênuo conformismo. Transformou-se, assim, numa bandeira radical, num manifesto político cultural, explosivo e criativo. Todo o irrefreável e desmedido vômito ganhou uma estrutura orgânica trabalhada em seus mínimos detalhes.”

SINOPSE

No escritório de usura de Abelardo & Abelardo, o protagonista Abelardo I,  banqueiro, agiota, o Rei da Vela, com seu domador de feras, o empregado socialista Abelardo II subjugam clientes numa jaula – devedores, impontuais, protestados. Burguês, Abelardo faz um negócio para a compra de um brasão: casar com Heloísa de Lesbos, que se negocia como valiosa mercadoria para manutenção da família, falida pela crise do café, no seleto grupo dos 5% da elite. Abelardo I, submisso ao capital estrangeiro do Americano, no terceiro ato leva um golpe de Abelardo II, que o sucede na manutenção da usura do capital.

Além de Renato Borghi e Zé Celso, fazem parte do coro de protagonistas Sylvia Prado, Camila Mota, Danielle Rosa, Joana Medeiros, Marcelo Drummond, Regina França, Ricardo Bittencourt, Roderick Himeros, Tony Reis, Túlio Starling e Vera Barreto Leite.

HISTÓRICO


Ano de 1967. Flávio Império e Rodrigo Lefèvre entram em cena para a reconstrução do novo Teatro Oficina, destruído num incêndio, e muitas das descobertas da Arquitetura Nova (movimento criado com Sérgio Ferro) foram incorporados. O  Oficina procurava um texto para a inauguração de sua nova casa de espetáculos que, ao mesmo tempo, inaugurasse a comunicação ao público de toda uma nova visão do teatro e da realidade brasileira. As remontagens que o grupo foi obrigado a realizar por causa do incêndio estavam defasadas em relação à sua visão do Brasil desde  abril de 1964. O problema era o do aqui e agora,  recorda Zé Celso: “E o aqui e agora foi encontrado em 1933, em ‘O Rei da Vela’, de Oswald de Andrade”.

A peça estreou em setembro de 1967, continuando com temporadas de sucesso pelo Brasil e Europa. Em 1968, foi apresentada no Rio de Janeiro, no Teatro João Caetano – na época com 1.600 lugares na plateia –, seguindo para  Belo Horizonte, Salvador, Recife, Belém e Manaus. Na Europa, foi apresentada em Florença (Itália), Nancy e Paris (França).

Em 1971, com outras duas montagens do repertório da companhia, “Pequenos Burgueses” e “Galileu Galilei”, a peça circulou na viagem Utopia dos Trópicos por 19 cidades brasileiras em dez meses: Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Goiânia, Salvador, Recife, Fazenda Nova (Nova Jerusalém), Mandassaia, Santa Cruz, Brejo da Madre de Deus, Garanhuns, Caruaru, Natal, Fortaleza, Crato, Juazeiro, São Luís, Belém e Manaus.

 

SOBRE O TEATRO OFICINA


Fundada em 1958, a Companhia Teatro Oficina se profissionalizou nos anos 60 e obteve imenso sucesso nacional e internacional de crítica e público. Em espetáculos como “O Rei da Vela”, “Roda Viva” e “Gracias Señor”, experimentou tirar o ator do palco; tirou o público da cadeira; foi censurada e exilada nos anos 70 pelo regime militar, reexistindo em Portugal na apresentação de espetáculos em fábricas durante a Revolução dos Cravos e realizando obras cinematográficas em Portugal, Moçambique, Inglaterra e França. Com a abertura política, a companhia foi, aos poucos, retomando as atividades no Brasil. Em 1984, transformou-se em Associação Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona, misturando em seus ritos teat(r)ais música, artes plásticas, vídeo, arquitetura, urbanismo, em processos de co-criação entre artistas.  O teatro, projetado por Lina Bo Bardi e Edson Elito, mas ainda sem sua expansão pelo entorno, estreou com “Ham-let”, de Shakespeare, em 1993, seguido de montagens que até hoje fazem parte do repertório da companhia, como “Bacantes”, de Eurípedes, e “Os Sertões”, concebido a partir do livro de Euclides da Cunha. A bigorna, lugar onde se forja o ferro e o corpo, onde se transforma e interpreta a vida, é símbolo da companhia desde sua fundação e foi colocada, por Lina Bo Bardi, na fachada do prédio.

Tombado pelo COMPRESP, CONDEPHAAT e IPHAN, o teatro foi esculpido por quase seis décadas de incessante criação artística. Em 2015 foi considerado pelo crítico de arquitetura do jornal The Guardian o melhor e mais intenso teatro do mundo.

Leia mais sobre “O Rei da Vela”, veja vídeos, matérias publicadas e fotos antigas em  http://bit.ly/reidavela

O REI DA VELA

 

Direção: Zé Celso

Conselheira poeta: Catherine Hirsh

Assistente do diretor: Cyro Morais

Elenco: Renato Borghi, Zé Celso, Marcelo Drummond, Camila Mota, Danielle Rosa, Elcio Seixas, Joana Medeiros, Regina França, Ricardo Bittencourt, Roderick Himeros, Sylvia Prado, Tony Reis, Tulio Starling e Vera Barreto Leite

Ponto: Nash Haila e Joana Medeiros

Diretor de arte: Hélio Eichbauer

Assistente do diretor de arte: Luiz Henrique Sá

Arquitetura cênica: Carila Matzenbacher e Marília Gallmeister

Diretor de cena: Otto Barros

Contrarregra: Vinicius Alves

Figurinista: Gabriela Campos

Assistente de figurino: Marcela Lupiano

Camareira: Cida Melo

Iluminador: Beto Bruel

Operador de luz: Ricardo Morañez

Sonoplasta: Andréia Regeni

Operadora de som e microfone: Rodolfo Yadoya

Diretor de vídeo e câmera: Igor Marotti

Câmera: Cafira Zoé

Estrategistas de produção: Camila Mota, Marcelo Drummond e Zé Celso

Diretora de produção: Ana Rubia Melo

Produtor executivo e administrador: Anderson Puchetti

Assistente de produção: Ederson Barroso

Comunicação e editoração do programa: Brenda Amaral, Cafira Zoé e Camila Mota

Programação visual, Design Gráfico e Ilustrações: Igor Marotti

Programação web: Brenda Amaral

Makumbas gráphicas | imagiário: Cafira Zoé  e Camila Mota

Arquivista: Thais Sandri

SERVIÇO


O REI DA VELA

De 21 de outubro a 19 de novembro de 2017. Sábados, às 19h e domingos, às 18h

Local: Teatro Paulo Autran (1.010 lugares)
Ingressos: R$ 50 (inteira), R$ 25 (meia: estudante, servidor de escola pública, + 60 anos, aposentados e pessoas com deficiência) e R$ 15 (credencial plena do Sesc: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes).

Duração: 3h30

Recomendação etária: 16 anos

 

 

PROGRAMAÇÃO PARALELA

O REI DA VELA – ONTEM E HOJE
José Celso Martinez Correa e Renato Borghi falam sobre os 50 anos da montagem de O Rei da Vela – encenada primeiramente em 1967, quando se transformou em um marco do teatro brasileiro. Vivendo esse reencontro, os dois falam sobre o contexto que os levaram à montagem do espetáculo na época e fazem uma avaliação de como essa remontagem continua atual até o momento.
A mediação é de Luiz Fernando Ramos.
Dia 26/10, quinta, às 20h

Livre. Grátis. Retirada de ingressos a partir das 14h.

 

LER E RELER “O REI DA VELA”

Oficina que tem por objetivo ler e reler a peça “O Rei da Vela”, do escritor, poeta e dramaturgo Oswald de Andrade (escrita em 1933).

O trabalho será realizado em três etapas:

  • Aula aberta sobre o texto de Oswald de Andrade e seu contexto histórico, no momento de sua criação. Com Luis Fernando Ramos.

Dia 7/11, das 19h às 22h

  • Análise e Deglutição em Ato

Análise do texto O Rei da Vela para iniciar a oficina prática em que serão vivenciados experimentos cênicos, propondo aos participantes uma deglutição do texto original a partir da releitura da peça. Com Cibele Forjaz, professora, doutora do curso de Artes Cênicas da Universidade de São Paulo (ECA/USP).  Os interessados deverão impreterivelmente participar da Aula Aberta com o professor Luis Fernando Ramos, que será realizada em 7/11.

Dirigida a atores, estudantes de teatro, dança e interessados nas artes do corpo. A partir de 16 anos. Vagas limitadas.

Inscrições a partir de 1º /11, na Central de Atendimento.

Dias 8, 14 e 15/11, das 19h às 22h. 

 

 

  • Contracultura à Moda Brasileira

Tomando como base o contexto artístico e social da primeira montagem de O Rei da Vela, os críticos Carlos Calado, Manoel da Costa Pinto e Welington Andrade conversam sobre os movimentos culturais que surgiram a partir desse momento histórico e de como se deu a evolução dos mesmos nesses 50 anos que se passaram.

Dia 17/11, sexta, às 20h30.

Local das atividades: Teatro Paulo Autran

Grátis. Retirada de ingressos a partir das 13h, no dia do evento.

 

 

SESC PINHEIROS

Endereço: Rua Paes Leme, 195.

Bilheteria: Terça a sábado das 10h às 21h. Domingos e feriados das 10h às 18h.
Tel.: 11 3095.9400.

Estacionamento com manobrista: Terça a sexta, das 7h às 21h30; Sábado, das 10h às 21h30; domingo e feriado, das 10h às 18h30. Taxas / veículos e motos: Credenciados plenos no Sesc: R$ 12 nas três primeiras horas e R$ 2 a cada hora adicional. Não credenciados no Sesc: R$ 18,00 nas três primeiras horas e R$ 3 a cada hora adicional. Para atividades no Teatro Paulo Autran, preço único: R$ 12 (credenciados plenos) e R$ 18 (não credenciados).

Transporte Público: Metrô Faria Lima 500m / Estação Pinheiros – 800m

Sesc Pinheiros nas redes

Facebook, Twitter e Instagram: @sescspinheiros

Related Posts

  • 100
    Grupo Macarenando Dance Company apresenta o primeiro espetáculo de Stand-Up Dance Comedy do RS, arquiteto Anthony Ling lança Guia de Gestão Urbana e o cineasta Jaime Lerner lança seu primeiro romance digital. Atividades encerram a programação do mês de julho no Instituto Ling   O Instituto Ling encerra o mês…
    Tags: de, a, do, da
  • 100
    O evento, promovido pela ONG Luz Dourada, será realizado nos dias 16 e 17 de setembro, no Cenha   A Primavera só começa no dia 21, mas a Associação Luz Dourada – organização sem fins lucrativos – prepara uma grande festa na região do Tatuapé, zona leste de São Paulo.…
    Tags: de, a, da, do
  • 100
    CREDITOS FOTOS: DALTON VALERIO ESTREIA: dia 14 de setembro (5ªf), às 20h LOCAL: Teatro da CAIXA Nelson Rodrigues   . Av. República do Chile, 230 – Centro / RJ   Tel: (21) 3980-3815 HORARIOS: 5ª e 6ª às 20h; sábado e domingo às 19h / INGRESSOS: R$40,00 (platéia) e R$30,00 (balcão) / DURAÇÃO: 90…
    Tags: de, a, do, da
  • 100
    Maior evento de promoção de manifestações artístico-culturais LGBT do interior do Estado de São Paulo apresenta um recorte de mapeamento da produção artística com a temática da diversidade sexual e de gênero no Brasil. Na programação, destaque para os shows de Karol Conka, As Bahias e a Cozinha Mineira e…
    Tags: de, a, da, do
  • 100
    Utilizando acervo do local, o projeto pretende incentivar o prazer da leitura, alargar os horizontes e atrair novos usuários Para quem gosta de poemas, a Biblioteca Pública Joaquim de Castro Tibiriçá, no Bonfim, passará a ser um endereço obrigatório a partir desta sexta-feira, 15 de setembro, quando começa no local…
    Tags: de, a, do, da

Deixe uma resposta