eventos

Motim coloca Brasília na rota de publicadores independentes

O Motim – Mercado de Produção Independente reúne criadores e selos de todo o Brasil na capital. Quarta edição promove lançamento de publicações e exposição.

Nos dias 17, 18 e 19 de novembro será realizada a quarta edição do MOTIM – Mercado de Produção Independente, na Biblioteca Nacional de Brasília. Em seu quarto ano seguido, a mostra vem se consolidando na Capital Federal por descobrir novos talentos produtores de artes de Brasília e também atraindo cada vez mais produtores de outros estados, como Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Este ano o evento reunirá 100 artistas que traduzem suas obras em forma de ilustrações, quadrinhos, fanzines, fotografias, literatura, pôsteres e outros meios de impressão.

Na lista dos expositores e artistas que compõem a mostra neste ano estão alguns dos principais selos independentes do Brasil, como Editora Beleléu (RJ), Nega Lilu (GO), Lote 42 (SP), Estranha Dupla (MG), além dos talentos da capital federal, são mais de 100 selos reunidos em um só lugar.

Para os idealizadores da mostra, Felipe Honda e Leandro Mello, o objetivo é “ser um movimento que incentiva a produção cultural, promovendo cursos ao longo do ano para capacitar novos produtores de publicações, proporcionando ferramentas para impulsionar o segmento, além de colocar Brasília em evidência, trazendo artistas e selos de publicações independentes de outros estados”, explica Felipe.

O MOTIM tem o apoio do Território Criativo, iniciativa da Secretaria de Cultura em parceria com o instituto Bem Cultural, que tem como objetivo impulsionar a economia criativa da cidade. O evento começa na sexta-feira  (17), às 19h, no espaço Território Criativo (anexo térreo da Biblioteca Nacional), com a abertura da exposição “Pela Moral e os Bons Costumes”, composta por obras dos artistas Allan Sieber (SP), Bruno Maron (SP), Ebert Calaça (GO), Caio Gomez (DF), Cynthia Bonacossa (RJ), Fabiane Langona (SP), Felipe Sobreiro (DF), Jean Matos (DF), Luiz Berger (SP), Marcio Paixão (GO), Mateus Dutra (GO), Pablo Carranza (RJ), Pedro D’apremont (DF), Rachel Denti (DF), Renata Rinaldi (DF), Tiago Lacerda (RJ) e Thiago Fagundes (DF). Ainda no mesmo dia será lançado o HQ Soco! volume 1 de Gabriel Góes. No sábado (18), é realizada a abertura da Feira de Produções Independentes, a partir das 11h. Serão lançados os livros “Eu quero acreditar”, de Caio Gomez, “APATHEA”, do selo Iluzine e “Cadê seu Zine?”, de Tiago Lacerda.

Soco! Volume 1, de Gabriel Góes

Em meio à cultura pop exagerada dos anos 1980, os bonecos action figure, os animes e cupons promocionais de gibis de super-heróis certamente fizeram parte da infância de muita gente. Billy Soco™ — um misto alucinado de Astro Boy e das Meninas Superpoderosas em esteróides —, é a síntese amalgamática de todas essas influências. Alternando ora entre uma arte-final bem acabada e precisa, ora rascunhos grosseiros que poderiam ter sido encontrados no caderno de colégio de algum guri aficcionado pelo personagem, seu universo é reimaginado a cada nova página, seja nos roteiros ingênuos repletos de nonsense ou, é claro, nos delírios temáticos da franquia.

Eu Quero Acreditar, de Caio Gomez

Certas coisas até a nossa vovozinha está cansada de saber que só pode acreditar vendo. Seja a promessa de campanha do político, as juras de amor eterno dos bêbados, a dieta que nunca começa ou o livro de

quadrinhos que você vai publicar um dia: é bom exercitar o bom e velho ceticismo de vez em quando. O pior que pode acontecer é estarmos errados!

Dando continuidade a série iniciada com“Mini-Infartos” (Beleléu, 2016). O livro “Eu Quero Acreditar” traz o lado fantástico, místico e inacreditável da realidade, com cartuns de situações que pairam no (in)consciente coletivo. Em “Eu Quero Acreditar” podemos perceber que viver em sociedade é praticamente um exercício de fé — mesmo que beire o absurdo.

Projeto Protagonista

Acreditar que a arte de rua pode ser um importante canal de manifestação de inquietudes, de insatisfação,  de amor e de protesto. As ruas estão cheias dessas manifestações e as pessoas conectam-se com elas. Às vezes conectam-se de tal maneira que desejam preservar essas artes da efemeridade e dos testes do tempo. Às vezes pessoas querem ter essas intervenções urbanas em suas casas ou nas casas de pessoas queridas, como lembretes de um momento, de um lugar, de uma idéia vibrante demais para se deixar apagar. Por

acreditarmos nessa força que a arte de rua tem, Bruno Bernardes criou um incentivo para que os inquietos das ruas continuem nos presenteando com suas opiniões em forma de grafite, mural, tag, pixo, instalação, lambes, bombs, stickers etc. Sabendo do alto custo de intervir nas ruas e por isso criou a plataforma Protagonista, que além de mapear a arte de rua, remunera os artistas por meio de comissão sobre a venda de um serviço de impressão fine art.

“Imprimir um grafite, um pixo ou um mural, não domestica nem descontextualiza a intervenção, no máximo concretiza uma segunda apropriação do espaço público: a primeira do artista, a segunda do cidadão que vive a cidade, que aceita a intervenção e que celebra o espaço público alterado”, explica Bruno.

O Projeto Protagonista, promoverá um tour, mostrando e explicando as intervenções urbanas na cidade para interessados em fotografia e arte urbana e contará com estrutura para impressão das obras no evento MOTIM.

Sobre o Motim – Mercado de Produção Independente

A feira teve sua primeira edição em 2014, chega a sua 4ª edição com 100 expositores de Brasília e outros estados; reúne várias formas de arte impresa e promove lançamento de novas publicações.

SERVIÇO

Motim – Mercado de Produção Independente

Dia 17 de novembro, a partir das 19h; Nos dias 18 e 19 de novembro, a partir das 10h. Entrada gratuita.

Será no Território Criativo (anexo térreo da Biblioteca Nacional de Brasília) Classificação indicativa: 16 anos

Mais informações: (61) 98549-5709 (Felipe Honda)

Página do evento no Facebook: www.facebook.com/events/1533317776726333/ Site do evento: www.motim.art.br

Related Posts

Deixe uma resposta