Livros

Fabiano de Abreu ganha prêmio e se destaca como filósofo no exterior

Fabiano de Abreu é uma daquelas pessoas que não desiste nunca. Um exemplo de sua determinação é o fato de, após ver sua empresa de distribuidora de informática – a terceira maior do Rio de Janeiro na época – quebrar em meados de 2008, na grande crise, correu atrás de um novo ramo para se reerguer. Assim encontrou o empresariamento artístico, área na qual tornou-se um dos maiores da história à frente da MF Press Global.

Dentre tantas qualidades de Fabiano, uma em especial se destaca: seu leque de experiência em diversos tipos de serviços. O luso-brasileiro – origem que carrega com muito orgulho – já foi empresário da informática, tecnologia e informação, jornalista, escritor e filósofo. E esse vasto conhecimento foi fundamental para seu sucesso.

O árduo trabalho foi recompensado com vários prêmios, um deles foi entregue em 2016, quando ganhou o prêmio de jornalista que mais criou personagens para imprensa brasileira e, também em 2016, o prêmio de melhor assessor de imprensa para divulgação de filmes nacionais e televisão. Este ano, Fabiano já foi eleito o melhor assessor de imprensa do Brasil.

Com escritórios situados nos Estados Unidos, Brasil, Chile, Portugal e Angola, e de uma carreira sólida, o jornalista tinha muito o que ensinar. Pensando nisso, lançou o livro “Viver Pode Não Ser Tão Ruim” em novembro de 2016 na Biblioteca Municipal de Castelo de Paiva, em Portugal e depois na Biblioteca de São Lázaro, a mais antiga de Lisboa.

O sucesso fez com que o livro também fosse lançado de maneira especial na Universidade Gregorio Semedo, em Luanda, capital da Angola. O evento realizado em abril deste ano na biblioteca da maior universidade da África contou com a presença de alunos, professores, do reitor, além de celebridades e da imprensa local. O escritor luso-brasileiro ainda deu uma palestra motivacional no auditório da Gregorio Semedo.

“A biblioteca estava cheia, com muitos alunos. O pessoal gostou, interagiu e fiquei muito feliz. Um professor de psicologia da universidade estava presente e elogiou muito o livro e a palestra, assim como o reitor da Universidade Gregorio Semedo. Fomos convidados para voltar para a África pela faculdade Óscar Ribas, para fazer a palestra lá também”, conta Fabiano de Abreu, que viajou para a Angola com a ex-modelo e agora jornalista correspondente internacional Jennifer de Paula.

Por fim, Fabiano foi convidado para elaborar a edição deste ano do prêmio jornalístico organizado pela associação de imprensa, AIB do Rio de Janeiro, uma das mais importantes do Brasil. Além, claro, de ser responsável pela assessoraria da premiação.

Referências e detalhes dos prêmioshttps://pt.wikipedia.org/wiki/Fabiano_de_Abreu

Sobre o livro “Viver Pode Não Ser Tão Ruim”

Entrevista 

“O livro trata de todo tipo de tema e situação, coisas que passavam em minha cabeça, coisas que eu via ou vivia e transportava para o papel. Em minha vida conheci muita gente, por 10 anos fui importador viajando o mundo e hoje em dia assessor artístico, ambos os meios se conhece muita gente o todo tempo. Temos pedras no caminho todo tempo, viver é uma guerra, não chamaria de viver e sim sobreviver, sobrevivemos com o peso de termos que ser melhor em tudo que fazemos e com o peso da obrigação financeira para conduzir uma vida. A vida pode ser maravilhosa se nós quisermos que seja maravilhosa, tudo é resultado de escolha e atitudes, não podemos ser simplesmente livres fazendo o que der e o que pode, temos que saber jogar o jogo da vida e manipular a nós mesmos meios e artifícios para ter uma vida melhor. O fato de sobreviver não quer dizer que não podemos viver nesta sobrevivência. Temos que aprender a viver na sobrevivência”, afirma Fabiano de Abreu.
É importante ressaltar que não é fácil um escritor brasileiro lançar um livro em Portugal, país que tem um conceito de literatura muito complexo. Para ser considerado filósofo em Portugal é preciso ter um registro que se consegue após um curso ou faculdade. Fabiano lançou o livro na biblioteca municipal de Castelo de Paiva e na biblioteca São Lázaro, a mais antiga de Lisboa. Em Abril lançará na maior universidade de Luanda em Angola e em Julho no Brasil.
O  escritor, filósofo, assessor de imprensa e jornalista explica que o livro aborda ocasiões que ele já passou, ouviu falar ou viu com seus próprios olhos: “As ideias acontecem quando temos certeza que aconteceram e no que resultou. Hipóteses não são palpáveis como experiência para servir de lição. A experiência de vida me ajudou muito pois fui rico e quebrei, depois recomecei minha vida, vivi a experiência sentimental da movimentação financeira e o resultado disso tudo. Cheguei a conclusões que acredito que só quem vai do céu ao inferno pode saber. Só não tive a experiência de estar próximo a morte ainda, espero não ter também, mas seria uma outra experiência que eleva o conhecimento a tipos de assuntos que só quem viveu pode saber. Toda carga de experiência na vida que faça diferença e fique na memória foi significante para que sirva de lição e aprendizagem para se passar adiante”.
O autor conta também como desenvolveu as ideias da obra “Viver Pode Não Ser Tão Ruim”. “Gosto de passar muito tempo sozinho, é realmente a melhor hora para pensar pois não precisamos pensar em agradar quem está a nosso lado ou servir a esta pessoa, o que nos tira a concentração. Anotei trechos que vinham à mente até mesmo dirigindo ou em um bate-papo com alguém. Anoto em meu Evernote. Penso muito, penso todo tempo, até quase enlouqueço por isso. Já até fui no psiquiatra para pensar menos (risos), mas preferi não seguir com os remédios pois não quero pensar menos, meu trabalho exige que eu tenha ideias para bolar conteúdos e fazer pessoas ficarem famosas. É tão hilário pois a fama é tão chata às vezes e eu trabalho com isso. A fama é boa para ganhar dinheiro, pois a popularidade resulta nisso. Se o filho do fazendeiro soubesse como é boa a vida que tem, não estaria deixando o interior tão vazio para a loucura das cidades grandes. Penso no futuro escrever no silêncio da montanha olhando o verde e o céu”, finaliza Fabiano de Abreu.

Deixe uma resposta