dança

(18, 20, 26 e 27/1) CARTOGRAFIA DO POSSÍVEL – Centro de Referência da Dança

São Paulo, SP, Brasil, 26-11-2016: A performer Val Souza realiza a performance “Can You See It?”, parte do projeto “Gritem-me Negra”, no Sesc Pompéia. (foto: Alberto Rocha/Folhapress)

Centro de Referência da Dança retoma programa

“Cartografia do Possível” com três novos trabalhos

Foto Alberto Rocha (“Can you see it?”, Val Souza)

A partir da segunda semana de janeiro, o Centro de Referência da Dança retoma as ações do projeto “Novo circuito de afetos”, em modo de gestão compartilhada entre a Associação Cultural Corpo Rastreado e a Secretaria Municipal de Cultura.

Além de vários cursos e oficinas com inscrições abertas, o CRD reinicia, agora em janeiro, o seu “Cartografia do Possível”, programa que se pretende permanente e permeável às possibilidades dos artistas e grupos independentes. Val Souza, mestranda em Dança pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), inaugura a programação de 2018, com a performance itinerante “Can you see it?”, nos espaços do CRD e arredores, no dia 18 de janeiro (19h); na tarde de sábado (dia 20, às 14h), a performer Flaviana Benjamin faz a intervenção urbana “Alvo”, na Praça Ramos de Azevedo. Na semana seguinte, dias 26 e 27, a bailarina Lilian Wiziack apresenta “Modo-cão” (19h), na Sala Cênica Ivonice Satie.

Imersão sonora, imagética, sensorial e gustativa, “Can You See It?” traz como discussão um corpo negro que rejeita o lugar de constante objetificação e magnetiza balas policias, olhares de reprovação e perversas palavras de racismo. Tendo seu corpo como motriz criadora e cenário principal, Val Souza desenvolve as potencialidades periféricas acompanhada por trilha sonora de  Tico (Pró estúdio skul índigo), fundamentada no funk e no pagode baiano, populares principalmente nas extremidades das regiões Sudeste e Nordeste do Brasil. A luz é de Paula Cassimiro

Nesta intervenção urbana, Flaviana Benjamin se propõe a ser “Alvo” para o público passante da Praça Ramos de Azevedo. A ação é uma resposta aos massacres indígenas que tornam o ato de matar um gesto compulsório e sem precedentes na Lei. A partir da interferência do outro (tiro), o corpo deixa o repouso e passa a ganhar novas formas.

“Modo-cão” tem como ignição a obra ‘Wolf Alice’, da artista plástica Gina Litherland, cujas pinturas habitam universos cheios de ambiguidade, com animais e criaturas, mistério, feminino e hibridismo. A partir da aproximação com o corpo canino, Lilian Wisiack experimenta possíveis fissuras e atravessamentos que desestabilizem o corpo em seu modo de ser e abra lacunas para modos desconhecidos. O trabalho foi desenvolvido junto com Renato Jacques, na Residência Coreográfica Lugarização-2017, realizada pela Cia. Corpos Nômades, no Espaço Cênico O Lugar.

Todas as apresentações têm entrada gratuita.

_______________________________________________

Serviço:

18/01 (quinta-feira), às 19h

“Can You See It?”, de Val Souza

CRD e entorno (performance itinerante)

Classificação indicativa: Livre

Duração: 55 minutos

 

20/01 (sábado), às 14h

“Alvo”, de Flaviana Benjamin

Praça Ramos de Azevedo (intervenção urbana)

Classificação indicativa: livre

Duração: 30 minutos

 

26 e 27/01 (sexta e sábado), às 19h

“Modo-cão”, de Lilian Wiziack

Sala Cênica Ivonice Satie

Classificação indicativa: livre

Duração: 30 minutos

Centro de Referência da Dança de São Paulo – CRDSP

Baixos do Viaduto do Chá, s/n – ao lado do Teatro Municipal (próximo às estações Anhangabaú, São Bento e República do Metro).

Informações: 32143249 | 953013769

Related Posts

Deixe uma resposta